22 junho, 2011

Frágil

Pensava que podia depositar tudo o que sentia num frasco. Vedar bem com uma tampa de rosca de metal e deixar lá fechado o que a inquietava. Pensava que era mais fácil assim, sufocar as emoções, desviar o medo, adiar decisões. Ali concentrado, tudo o que era sensível e frágil. Em lugar seguro. Escondido.
Pensava que seria fácil viver assim, esventrada de ansiedade e desilusões. Enclausurar sentimentos turvos, desconexos. Empacotar sensações.
Olha para o frasco onde encerrou um dia o seu único plano, o mais impossível e desejado. Um plano antigo, mal sucedido. A tampa está fechada, o plano foi alterado. Resta-lhe o tempo que cure as dúvidas, o frasco a liberte deste cansaço

4 comentários:

Diogo disse...

Cheguei stranger!!!
;)

Natacha disse...

... só que nada disso seria viver, né?
Mas nem sabes o quanto percebo... (sorrisos)

"Faz-me um sinal qualquer
Se me vires falar de mais
Eu às vezes embarco
Em conversas banais"

Grande Jorge Palma

(mais sorrisos) Beijossssssss

ps: eu disse...

Welcome stranger! ready for the flight??
Kisses

ps: eu disse...

Não, não seria Natacha... é melhor não fechar nada em frascos! Mas adorei a imagem!! Também adoro Jorge Palma!