15 setembro, 2011

Ainda é difícil



Ainda é difícil olhar-te e não sentir nada.
Ainda é difícil olhar-te. Enfrentar o odor do teu sorriso. O calor do teu corpo a milímetros do meu.
Mesmo que já não signifique nada, que não sirva para nada. A verdade? Eu não consigo não sentir nada. E é nessa confusão que me defino. Na tortura de uma indiferença encenada, olho-te nos olhos e finjo, finjo não sentir nada. Continuamos ridículos lado a lado, erguendo entre nós o muro baço do espaço. Apenas os olhares se tocam desassossegados. Violentam-se em vertigens. Mas os corpos petrificados não reagem. Inertes, fingem não sentir nada. Sei que lês, na transparência, tudo aquilo que eu sinto.

6 comentários:

T disse...

Também tens esse estranho poder, de conseguir escrever, e de nós que te lê-mos achar que é sobre a nossa própria vida que escreves =P "it's oh...so Weird" ao jeito da Bjork.

miúda disse...

Ás vezes é mesmo isso, é dizer nas entrelinhas aquilo que só dois percebem no meio de uma multidão inteira :)
Beijinho*

Closet disse...

T. juro que não era sobre ti :) Há sempre olhares difíceis! Gostei da frase da Bjork "it's oh...so Weird"

Closet disse...

miúda, é exactamente isso, ou nós não falássemos a mesma língua há uns anitos ;) Bjinhos ***

Ametista disse...

Como eu te compreendo, Closet..
Descreves na perfeição um sentir que faz doer quem já o viveu e o lê, agora, como que a recordar..

Um grande beijinho

Closet disse...

Amestista, é um bocadinho isso sim...assim a... 200%!! Um grande beijinho para ti!