02 novembro, 2012

Caçadora de sonhos




Olhando para trás,
Talvez eu tenho sido sempre uma caçadora de sonhos.
Gigantes e impossíveis.
Talvez tenha perseguido fantasmas toda a minha vida
Numa teimosia cega, numa fé desmedida.

Reconheço que não fui, por um único instante, sensata.
Profeta de histórias felizes, ilusões audazes.
Corri de forma compulsiva e olhos vendados, em busca do inusitado.
Nunca sobe viver tranquila apenas num lado da estrada, constante.
Agradam-me as alterações repentinas do vento,
As bifurcações imprevistas, a velocidade ultrapassada.

Olhando para trás,
Tenho sido coleccionadora de memórias invisíveis.
Como o sorriso dos teus olhos, o calor dos teus braços
A tua voz a dissertar todos os nossos impossíveis.
Sei que reencontrar-te foi o meu sonho mais masoquista,
Delírio puro, intoxicante.
Sempre fui uma caçadora de sonhos,
E, no limiar da loucura, talvez eu ainda espere por ti, na berma da estrada,
no meu sonho mais errante.

4 comentários:

Stranger! disse...

"E, no limiar da loucura, talvez eu ainda espere por ti, na berma da estrada,
no meu sonho mais errante."

Gosto!!
Beijo!

S.o.l. disse...

Uns na berma da estrada, outros sentados numa pedra no meio de um rio. Todos esperamos o mesmo...

Closet disse...

ei Stranger! Beijos!

Closet disse...

é bem verdade S.o.l , todos esperamos o mesmo, muitos vezes nem sabemos quê... beijinho*