22 março, 2012

Algo


Talvez sejas tu. Apareces sempre assim, do nada. Sem avisar.
Rompes as paredes do tempo, os muros da distância. Avançasinstável entre labaredas gigantes, por caminhos sinuosos, mas arrebatas qualquer tentativa de te evitar.
Não sei exactamente o que quero, mas sei que quero desesperamente algo.
Talvez seja o cheiro da tua pele, o sabor dos teus lábios, o calor dos teus braços.
Ou aquela gargalhada incontida, só nossa, que a memória insiste recordar. A euforia da chegada, a adrenalina da paixão numa espiral de desejo. As conversas partilhadas de loucura insaciável.
Talvez sejas tu, que persegues os meus passos inseguros
E num caminhar silencioso, atropelas-me de repente só para que eu reaja, te empurre. Te afaste. Me afaste. Para voltar a esperar-te sofregamente, a cada dia que passa, a cada segundo que me faltas.
Não sei exactamente o que quero, mas sei que quero desesperamente algo. 



5 comentários:

S.o.l. disse...

:)

Talvez seja... mas se for, que seja "aqui" e "agora" :))

T disse...

Estou a cada esquina à tua espera, para te apanhar em falso num momento repentino e assustar-te. Ver-te sobressaltada, ver os teus lábios tremer, fazer-te sentir a adrenalina de quem fica apavorada. Quando já te sinto habituada mudo de estratégia e apanho-te nas passadeiras, acelero, mas não te preocupes, só quero que reajas novamente às minhas investidas.
Peço-te então que te acauteles quando andas por aí...

(piadinhaaaa)

Gostei ...beijos miopes =)

Closet disse...

Sol, o espaço e o tempo são variáveis que me escapam mais, ou entendo menos... :)

Closet disse...

T., primeiro, não me assusto facilmente, segunto, não tremo os lábios com a adrenalina mas com o frio, terceiro... porque me queres atropelar??
Eu só quero ir de férias apanhar um sol e ... dançar all night long:)

T. disse...

Eu não te quero atropelar...é o raio da miopia =P

beijo