05 outubro, 2011

Simplesmente olhar




Gosto de enterrar os pés na areia e ficar sentada junto ao mar.
Prender os olhos no sol  e descer com ele até ao horizonte, pintar-me com as tonalidades que o céu me revela ao anoitecer. Gosto do momento, daquele instante só meu. Calmo e distante de qualquer realidade.  Procuro o sossego que acalme a incompreensão errante que me desgasta. Só sei ser assim, insatisfeita, incompleta, inconstante.
Mas entre mim e a vida não há meias-verdades. Não há espaço para planos, intenções premeditadas. Eu não jogo à defesa, nem ao ataque. Eu simplesmente não jogo - Eu amo. Sem pensar, sem medir. Sem comparar ou reclamar. Transbordo o que amo nos braços, nas pernas, nos olhos, nos lábios, nas mãos. A transparência é a minha maior fragilidade. Eu dispo-me de qualquer objecto de combate. Não sou um desafio para ninguém, nada tenho para descobrir ou fascinar. Porque sou tão simples e imprevisível como os meus actos, mas não sou nada mais do que isso. Entre mim e a vida não há nenhum mistério, sem ser essa minha vontade de enterrar os pés na areia e olhar o mar.



Poema Te olho nos Olhos

«Te olho nos olhos e você reclama
Que te olho muito profundamente.
Desculpa,
Tudo que vivi foi profundamente
Eu te ensinei quem sou
E você foi me tirando
Os espaços entre os abraços,
Guarda-me apenas uma fresta.
Eu que sempre fui livre,
Não importava o que os outros dissessem.
Até onde posso ir para te resgatar?
Reclama de mim, como se houvesse a possibilidade
De me inventar de novo.
Desculpa...se te olho profundamente,
Rente à pele
A ponto de ver seus ancestrais
Nos seus traços.
A ponto de ver a estrada
Muito antes dos seus passos.
Eu não vou separar as minhas vitórias
Dos meus fracassos!
Eu não vou renunciar a mim;
Nenhuma parte, nenhum pedaço do meu ser
Vibrante, errante, sujo, livre, quente.
Eu quero estar viva e permanecer
Te olhando profundamente."

2 comentários:

T. disse...

"Eu simplesmente não jogo- Eu Amo..." Adoro! e a música é uma das minhas preferidas. E a intensidade do poema é qualquer coisa, grande momento de inspiração.
beijos

Closet disse...

Tiago, eu também adoooro esta música, só não consegui por no mixpod pffff!!! O poema também é recitado pela Ana Carolina, mas o video é péssimo... não se pode ter tudo não é? Beijinhos e obrigada, está uma tarde agradável cá fora ;)